Compare o financiamento com o consórcio de moto - Konkero

Compare o financiamento com o consórcio de moto

Confira as condições destes dois produtos financeiros e descubra se algum deles é a melhor opção para você. 

moto01

Se você quer comprar uma moto parcelada, saiba que existem dois caminhos comuns para fechar esse negócio: entrar em um consórcio ou fazer um financiamento. O valor que você paga no final e a compra da moto estão entre as principais diferenças destes dois serviços. Antes de escolher qual negócio fechar, procure conhecer e comparar todas as condições, pois nem sempre uma escolha por impulso leva à melhor decisão para o seu perfil.

Financiamento x Consórcio

Confira abaixo o que muda entre eles:

Consórcio

  • Cobra uma taxa de administração em todas as parcelas;
  • Não é preciso dar um valor de entrada, você paga as prestações até o final do contrato;
  • O veículo não sai na hora: você deve esperar pelo sorteio ou início dos leilões para levar a moto somente depois da contemplação;
  • Você pode entrar no consórcio mesmo estando com nome sujo. A empresa só faz a análise do crédito na contemplação, então, você tem esse tempo para regularizar seu nome.

Financiamento

  • Cobra uma taxa de juros mensal;
  • É necessário dar algum valor como entrada. E quanto maior esse valor, menos juros você paga no final;
  • No financiamento, você sai com a moto na mesma hora;
  • É feita uma análise de crédito antes da aprovação do crédito para avaliar se você tem condições de pagar a dívida. O nome sujo, nesse caso, pode ser um impedimento.

Saiba mais sobre as diferenças

No financiamento, o banco empresta o dinheiro, e você paga esse valor em parcelas com juros. Dependendo do lugar onde financiará a moto, a taxa será maior do que nos bancos concorrentes – e isso significa que a sua dívida será mais cara do que poderia ser se você contratasse o empréstimo em outro banco. Normalmente, os juros cobrados em um financiamento são maiores do que as taxas que existem em um consórcio. Esta seria uma desvantagem de buscar um financiamento.

Outra diferença importante no financiamento é a entrada cobrada por muitas empresas, que costuma ser 20% do valor da moto. No caso de um modelo que custa R$ 5 mil, você pagaria R$ 1 mil de entrada, por exemplo. Isso não acontece no consórcio, mas aqui você consegue levar a moto quando fecha o negócio.

Por fim, para aprovar o empréstimo é feita uma análise de crédito, ou seja, o banco avalia se você pode pagar o dinheiro que quer pegar. Para quem tem nome sujo, o financiamento pode ser negado.

Já no consórcio você paga parcelas mensais para uma administradora, que é a empresa que gerencia os grupos e os consorciados. Quando a soma dos pagamentos de todos os participantes atinge o valor da moto, alguém é sorteado e pode comprar o veículo.

Diferentemente do financiamento, aqui não é necessário dar uma entrada e as parcelas não têm juros, o que você paga é uma taxa de administração. Outra diferença é o prazo para ter a moto, pois no consórcio essa compra depende da contemplação. Então, você pode ser sorteado no começo ou somente no final, e não consegue prever quando vai comprar o bem. Por outro lado, quem tem dinheiro guardado consegue dar lances e tentar ser contemplado antes no consórcio.

Qual negócio fechar?

Depende do que você precisa. Se você está com pressa para comprar a moto, tente guardar dinheiro para a entrada e faça o financiamento. Mas se você pode esperar um pouco mais, escolha o consórcio – ele sairá mais barato e será uma forma de você poupar todos os meses. Caso mude de ideia sobre comprar a moto, você pode optar por pegar o dinheiro ao final de seis meses do término do grupo.

Ficou com alguma dúvida? Confira um guia completo com tudo que você precisa saber sobre consórcio de carro e moto.

Veja também!



Compartilhe